Manter uma boa organização financeira é um desafio enfrentado por muitas empresas. Qual foi o ganho efetivamente gerado pelas vendas do mês? Quais foram as principais despesas? E para o mês que vem, quais são as obrigações e os seus respectivos prazos?

A resposta para todas essas perguntas passa pela eficiência da gestão financeira da empresa. E quando falamos sobre finanças, uma das maiores vilãs é a falta de cuidado ao separar as finanças pessoais das finanças da empresa.

Veremos, logo a seguir, qual é a importância dessa separação das finanças e como você pode colocar isso em prática na sua empresa!

Por que separar as finanças pessoais das empresariais?

Imagine uma pequena empresa que vende cadeiras operada apenas pelo seu proprietário. Ele vende, em média, 10 cadeiras por dia pelo valor de R$100,00 a unidade. O custo de aquisição de cada uma delas é de R$60,00. Isso quer dizer que deveriam ficar em caixa cerca de R$400,00 por dia, certo?

Mas o proprietário dessa empresa utiliza o dinheiro que recebe nas vendas da manhã para pagar o almoço de toda sua família. No meio da tarde, vai até a padaria da esquina comprar um lanche e já aproveita para pagar algumas contas pessoais na lotérica. Ao fim do dia, ele fica apenas com R$100,00 no caixa da empresa.

Quando esse empresário parar para fazer uma análise da sua empresa, será impossível identificar o resultado real das suas operações, afinal, grande parte da receita está sendo utilizada em despesas pessoais. Além de ficar com apenas uma pequena parte do valor recebido, toda a sua gestão financeira fica comprometida.

Se pegando como exemplo um pequeno negócio que comercializa apenas um produto as coisas já podem ficar complicadas, imagine só uma empresa com estrutura mais complexa. Veja os principais problemas que são consequências da confusão nas finanças:

  • Falta de informações precisas sobre valores recebidos pelas vendas
  • Dificuldades em apurar os custos da empresa
  • Falta de controle sobre prazos e obrigações
  • Menos capital de giro disponível
  • Descontrole sobre as finanças pessoais

Dicas para separar as suas finanças

Depois de compreender a importância de separar as suas finanças pessoais das finanças da empresa, vamos ver algumas dicas para que você consiga aplicar essa separação na prática!

1. Faça uma análise da situação atual

Comece analisando os últimos meses de operação da sua empresa. Você consegue identificar alguns pagamentos de gastos pessoais saindo do caixa da empresa? É possível descobrir para onde está indo todo o dinheiro que entra no caixa?

Essa primeira análise permitirá que você tenha noção do quão misturadas estão as finanças pessoais e as finanças da empresa. Apenas com isso em mente já é possível tomar as primeiras atitudes com o objetivo de aumentar o controle financeiro do negócio.

2. Tenha contas bancárias separadas

A pior decisão que você pode tomar é manter uma única conta bancária para controlar o dinheiro pessoal e o dinheiro da empresa. Fica muito difícil identificar quais entradas e saídas se referem às atividades do seu negócio e quais são pessoais.

Com contas separadas, o controle fica mais fácil. As operações da empresa acontecem na conta empresarial e as operações pessoais, na conta de pessoa física. Parece apenas um detalhe, mas faz toda a diferença.

3. Defina um pró-labore

Pró-labore é o nome dado às retiradas efetuadas pelos sócios que trabalham na empresa – funcionando como uma espécie de salário. A simples definição de um valor fixo de pró-labore faz toda a diferença para os controles financeiros da sua empresa.

Quando você vai utilizando o dinheiro do caixa da empresa para as suas despesas domésticas surgem dois problemas: você não tem limite algum e é difícil identificar todas essas despesas ao longo de um mês. Já com o pró-labore, você saberá desde o início que receberá um valor determinado e não tocará mais no caixa da empresa para pagar gastos pessoais.

4. Vá investigar as pequenas despesas domésticas

Mesmo depois de tantos cuidados, é possível que a sua empresa ainda esteja pagando por suas despesas pessoais sem que você se dê conta disso. Um clássico exemplo disso é pegar o carro da empresa para uso pessoal – sendo que é a empresa quem paga pela gasolina e pela manutenção do veículo.

Por isso, continue sempre em alerta para identificar essas situações e chegar ao ponto em que as finanças pessoais e as finanças da empresa estejam 100% separadas. Os seus controles financeiros agradecerão!

 

Como você lida com a separação das finanças pessoais e empresariais? Você deseja melhorar a sua relação com as finanças da empresa? Então confira a nossa planilha de planejamento financeiro!